11.12.06

De Baião e Rabanhão.

Em uma era de ares de chumbo e ditadura que nos fazia respirar uma atmosfera pesada e opressiva, mesmo no meio evangélico da igreja brasileira, surge uma luz chamada Janires e o grupo liderado por ele, chamado Rebanhão. Luz que ilumina uma era de trevas para o Brasil e mostra que existia uma esperança de salvação para o ser humano , esperança essa que ainda persiste em existir, embora não seja tão cantada em prosa e verso como em tempos idos .

Baião!


Minha vida quer era muito louca

Só faltei correr atrás de avião

Mas Jesus entrou no meu deserto

Inundou o meu coração

Eu era magro que dava dó

Meu paletó listrado era de uma listra só

Mas Jesus entrou no meu deserto

Inundou o meu coração

Sem Jesus Cristo é impossível

Se viver neste mundão

Até parece que as pessoas

Estão morando no sertão

É faca com faca é bala com bala

Metralhadoras e canhões

Até parece que as faculdades

Só tão formando lampiões

E lampião e lamparina

Vela acesa e candeeiro

Nunca vai salvar ninguém

Inda se vai gastar dinheiro

E o dinheiro anda mais curto

Do que perna de cobra

Filosofia de malandro

No bolso ele falta e nunca sobra

E o que tá faltando de amor

Tá sobrando iniqüidade

Todo mundo se odiando pelas ruas

Pelas ruas da cidade

Se essas ruas se essas ruas fossem minhas

Eu pregava cartaz, eu comprava um spray

Escrivinhava nelas todas

JESUS the only way

Jesus é o único caminho, pra quem quer morar no céu Quem quiser atalhar vai pro beleléu

Autor: JANIRES MAGALHÃES MANSO

Nenhum comentário: